Marinha nega que mancha descoberta por pesquisadores seja óleo

Imagem: Reprodução

A Marinha do Brasil negou, através de nota enviada a veículos de comunicação, que a enorme mancha detectada pelo Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), por meio de satélite europeu, seja óleo.

A  Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) também havia detectado a mesma área escura.

A mancha estaria uma distância de 54 km da costa do Sul da Bahia, podendo ajudar a explicar as ocorrências ao longo do litoral nordestino.

A Marinha informou que o desenho identificado nas imagens de satélite não é de óleo.

O Grupo de Avaliação e Acompanhamento da situação, formado por diversos órgãos, disse que foram feitas quatro análises até chegar a essa conclusão:

  • Consulta a especialistas da Federação Internacional para Poluição de Donos de Navios-Tanque (ITOPF, em inglês)
  • Monitoramento aéreo
  • Monitoramento por navios
  • Imagens de satélite

É importante frisar que a gravidade, a extensão e o ineditismo desse crime ambiental exigem constante avaliação da estrutura e dos recursos materiais e humanos empregados, no tempo e quantitativo que for necessário“, diz trecho da nota da Marinha.

Com informações: G1

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui