Ilhéus e Itabuna entram na reta final para abertura do III EBSAGS dia 5

Divulgação

Os municípios de Ilhéus e Itabuna entram na reta final para a realização do III Encontro Baiano de Sistemas Agrossilviculturais (EBSAGS). As inscrições estão abertas na internet: www.ebsags.com.br. O evento será realizado de 5 a 9 de junho, em Itabuna, no campus e auditório da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC), e no Centro de Treinamento da CEPLAC, no Km 22 da BR-415-Jorge Amado, em Ilhéus.

Dentre os temas que serão debatidos em palestras, mesas-redondas, minioficinas, etc. estão a regularização ambiental das fazendas de cacau e agropastoris e usos da terra, da floresta e do recurso água nas propriedades rurais. Foram convidados pesquisadores, profissionais e especialistas do Brasil, Estados Unidos e Argentina, dentre outros países, que terão a oportunidade de interagir com os participantes num momento em que há registro de crescimento do desmatamento no Sul da Bahia.

Estudo divulgado nesta segunda-feira, dia 29, pela Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) aponta que a Bahia liderou o desmatamento com decréscimo de 12.288 hectaresalta de 207% em relação ao ano anterior, quando foram destruídos 3.997 ha. “Dois municípios baianos – Santa Cruz Cabrália e Belmonte – lideram o ranking dos maiores desmatadores, com supressão de 3.058 ha e 2.119 ha, respectivamente”, diz o documento.

De acordo com o levantamento “se somados aos desmatamentos identificados em outras cidades do Sul da Bahia, como Porto Seguro e Ilhéus, cerca de 30% do total do bioma foi destruído nessa região, que historicamente é conhecida pela chegada dos portugueses e pelo início da colonização do país. ‘Essa região é a mais rica do Brasil em biodiversidade e tem grande potencial para o turismo. Nós estamos destruindo um patrimônio que poderia gerar desenvolvimento, trabalho e renda para o estado’”, diz a diretora-executiva da SOS Mata Atlântica, Márcia Hirota.

Há 10 anos não era registrado no bioma Mata Atlântica um desmatamento nessas proporções de acordo com a SOS Mata Atlântica. “O que mais impressionou foi o enorme aumento no desmatamento no último período. Tivemos um retrocesso muito grande, com índices comparáveis aos de 2005”, disse Márcia. No período de 2005 a 2008 a destruição foi de 102.938 ha, ou seja, média anual de 34.313 hectares.

A terceira edição do EBSAGS também vai discutir questões relativas à Mata Atlântica por ser a lavoura cacaueira responsável por sua manutenção nos cerca de 250 anos, desde que a implantação do cacau em 1746, na Fazenda Cubículo, em Canavieiras. O III Encontro Baiano de Sistemas Agrossilviculturais é uma realização da Ceplac, Fundação Pau Brasil, Sociedade Brasileira de Sistemas Agroflorestais (SBAF), Grupo de Pesquisas em Conservação Produtiva, Instituto Biofábrica de Cacau e Sebrae.

Contando com o apoio da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC), Governo da Bahia, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI), Prefeitura de Itabuna, Biosementes – Plantando Soluções, CAPES, Módulo Rural, Professional Clean, Instituto Chocolatte, CDAC- Centro de Desenvolvimento Agroambiental e Cidadania e Gráfica Mesquita.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui