Greve dos caminhoneiros segue marcada para 1º de fevereiro, diz CNTRC

Greve nacional de caminhoneiros 21/05/2018 REUTERS/Rodolfo Buhrer - Foto: Roberto Carvalho
Greve de parte da categoria está prevista para segunda-feira, 1º de fevereiro – Foto: Roberto Carvalho/Reuters

O Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) reiterou em nota a intenção de seguir com greve geral de caminhoneiros no dia 1º de fevereiro “por prazo indeterminado”, apesar da isenção de impostos sobre pneus prometida pelo governo e aumento do frete mínimo.

Apesar da paralisação prevista para o próximo mês, há o compromisso do setor de manter a movimentação de caminhões e cargas dos serviços essenciais em 30% em decorrência da pandemia do coronavírus, além de cargas vivas, alimentos perecíveis e afins.

A CNTRC afirma que representa cerca de 40 mil caminhoneiros no Brasil.

Por outro lado, os caminhoneiros autônomos não são favoráveis à greve do dia 1º de fevereiro. A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), que representa legalmente a categoria, entende que “este não é o momento ideal para uma paralisação”.

Ainda em nota, a CNTA destaca o cenário positivo do transporte de cargas no Brasil e o relacionamento com o governo. “A CNTA acredita que a deflagração de uma greve, especialmente de caminhoneiros, deve ocorrer somente quando esgotadas todas as alternavas plausíveis de discussão e negociação”, afirma.

A movimentação dos caminhoneiros para a greve ocorre mesmo em meio uma nova tabela de preços mínimos de frete rodoviário no Brasil, publicada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) no Diário Oficial da União (DOU) (Resolução nº 5.923), com aumento entre 2,34% a 2,51%.

Além disso, o governo federal anunciou que deve zerar a tarifa de importação de pneus, ante os 16% anteriores, um dos pedidos do setor. O pneu é o segundo item mais caro na manutenção dos caminhões.

Fonte: Notícias Agrícolas

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui