Greve da Polícia Civil atrapalha investigação de chacina em Itabuna

A provável ligação com o tráfico de drogas resultou na morte de quatro pessoas na favela do Gogó da Ema, bairro São Caetano, na cidade de Itabuna (distante 450km de Salvador) na madrugada deste domingo, 23, segundo informou a delegada titular da 1ª Delegacia de Polícia do município, Katiana Amorim.

Por conta da greve da polícia civil no Estado, iniciada no último dia 19, as investigações sobre o caso, no entanto, estão paradas. Segundo Katiana, moradores estão calados e não comentam nada sobre o crime. “A lei do silêncio, que impera no bairro, e a paralisação dos policiais civis atrapalham as investigações”, lamentou.

Chacina pode ter ligação com o tráfico de drogas, afirmou a delegada Katiana Amorim

O crime aconteceu em um barraco localizado na travessa Helio Aragão, sem número, onde foram mortos Hugo Soares da Silva Filho, 45 anos; Lucas Santos Oliveira, o “Buiú”, de 19 anos, que morava no bairro Mangabinha; Afonso Santos Pereira, 16, que residia na Vila Anália; e Mateus Santos de Jesus, conhecido como “Maicon” ou “Neguinho”, do bairro Novo Jaçanã. Lucas e Mateus tinham passagem pela polícia, segundo a delegada.

Ainda de acordo com ela, testemunhas relataram que homens encapuzados, portando escopetas e uma metralhadora, executaram as vítimas. A delegada não descarta a possibilidade de o crime ter ligação com um traficante da região. “Acredito que todas as vítimas tenham ligação com o traficante ‘Nen Véio’. Eles [as vítimas] estariam reunidos com o traficante momentos antes do ocorrido”, declarou Katiana.

 

Fonte: Ana Cristina Oliveira (Sucursal Itabuna) / Com redação de Michele Mendes (A Tarde On Line)

 

 

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui