Frans Krajcberg recebe honraria do Ministério Público baiano

(Foto: Humberto Filho)
Defensor fervoroso do meio ambiente e dos direitos humanos, o escultor polonês Frans Krajcberg foi homenageado na quinta-feira, dia 13, pelo Ministério Público do Estado da Bahia. Ele recebeu do MP o “Prêmio J.J. Calmon de Passos”, uma honraria concedida anualmente a pessoas ou organizações nacionais ou estrangeiras que tenham prestado relevantes serviços à sociedade e à Instituição em defesa dos direitos humanos. “Estou tão emocionado quanto no dia em que ganhei a medalha da guerra das mãos de Stalin. Somente em Moscou, fiquei muito emocionado como hoje”, declarou Frans ao receber a medalha que compõe o prêmio das mãos do procurador-geral de Justiça Wellington César Lima e Silva e do promotor de Justiça Fábio Corrêa, que o indicou para concorrer à honraria. O diploma que também integra o prêmio foi entregue ao escultor pelo governador Jaques Wagner e pelo artista brasileiro radicado em Paris, Sérgio Ferro.

A satisfação do Ministério Público em conceder o prêmio ao artista reconhecido internacionalmente foi registrada nas palavras do procurador-geral de Justiça, que é o chanceler da honraria. “Este prêmio retrata os melhores valores, que você também representa através da sua arte e do seu trabalho”, assinalou Wellington César, destacando que o significado da homenagem cresceu ainda mais para o MP a partir do momento em que Frans declarou que, das sete medalhas que já recebeu, apenas a que lhe foi concedida hoje e a da guerra o emocionaram tanto. “A luta continua, o meu trabalho continua”, frisou o escultor, que chegou ao Brasil após ter enfrentado os horrores da Segunda Guerra Mundial, atuando nas forças de libertação contra o nazifacismo, para quem perdeu toda a sua família. Ele foi naturalizado brasileiro em 1954 e, após passagens por São Paulo, Rio de Janeiro e Pará, estabeleceu-se no município baiano de Nova Viçosa, onde construiu seu ateliê e moradia.

Wellington César destacou ainda que o prêmio foi concedido por indicação do promotor de Justiça Ambiental da Regional de Teixeira de Freitas, Fábio Corrêa, que sentiu de perto a força do trabalho e o magnetismo do escultor. A luta de Frans foi reconhecida pela Comissão de Outorga do Prêmio e referendada pelo Órgão Especial do Colégio de Procuradores de Justiça, complementou o PGJ, ressaltando que tudo isso faz perceber que a medalha não é a oferta de uma só pessoa, mas de uma instituição. O prêmio é muito significativo para o MP porque Calmon de Passos foi, talvez, o nome mais emblemático da Bahia. “Ele tornou adversidade em matéria prima para o talento e para força, assim como você, Frans. Por isso, é um privilégio ter aqui uma personalidade do mundo, recebendo uma medalha que, em sua última edição, foi concedida ao ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro aposentado Carlos Ayres Brito”, concluiu o procurador-geral. Emocionado, Frans agradeceu ao MP e aos presentes na solenidade e, aos 93 anos de idade, informou que ainda este ano fará uma exposição em Munique, outra em Nova York e que já tem planos para os próximos anos.

Prestigiando a cerimônia, o governador Jaques Wagner destacou que o escultor merece o reconhecimento de instituições como o Ministério Público, que tem como uma das suas missões a defesa dos interesses difusos da sociedade, como a defesa do meio ambiente. Frans é um estímulo para todos nós, disse ele, informando que o Governo do Estado viabilizará a construção de um museu para abrigar as obras do escultor, que já doou o seu patrimônio ao Estado da Bahia. Ao longo da carreira, Frans Krajcberg denunciou crimes ambientais, como queimadas, assassinatos de índios, exploração irregular de minérios e o desmatamento da Amazônia. Em Nova Viçosa, defendeu tartarugas marinhas em período de desova e baleias jubartes que visitam o local. Ele já recebeu o prêmio da Bienal de Arte do Brasil e de Veneza e, em 2012, venceu o Grande Prêmio de Enku, no Japão, como melhor escultor do mundo. Também parcitiparam do evento a primeira dama do Estado, Fátima Mendonça; o membro do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), Jarbas Soares; o cônsul da Holanda em Salvador, Egbert Bloemsma; o diretor da Escola de Magistrados da Bahia, desembargador Jatahy Fonseca Junior; o corregedor-geral do MP, Franklin Ourives; o secretário de Cultura do Estado, Albino Rubim; agentes públicos e cidadãos de Nova Viçosa; artistas plásticos; dentres outras personalidades.

 

 

 

 

Fonte: MP BA

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui