“Fluxo Artístico”, de Don Monti, começa ser exposta a partir do dia 11, em Teixeira

Imagem: Divulgação

A partir do dia 11 março, às 20 horas, terá início a exposição “Fluxo Artístico”, do artista João Lucas Monti, também conhecido como “Don”, em Teixeira de Freitas.

Na Galeria Motirô, do Coletivo das Artes Motirô, e em parceria com o Shopping PátioMix, a exposição traz em suas obras a delicadeza nos traços e o entusiasmo criador de acordo ao momento que está vivenciando.

O título se dá em homenagem ao coletivo Fluxo Artístico (@fluxo.artistico), fundado pelo artista em março de 2019, através de um caminho e um ponto que representa pessoas, conversa e Arte.

Sua exposição marca a influência de diversos artistas que compõem o Fluxo, sendo também, uma forma de agradecimento por todo apoio e inspiração que o grupo trouxe ao artista até o presente momento.

A Galeria Motirô

A galeria de arte é um desejo antigo dos artistas teixeirenses e da região, um espaço democrático evidenciando a diversidade  da cidade.

Com esse objetivo é que o Coletivo das Artes Motirô buscou parceria com o Shopping PátioMix para que, juntos, tornassem realidade esse anseio da classe artística e da nossa sociedade.

Parte do pressuposto que será uma vitrine para o artista e um ganho para toda a população de Teixeira de Freitas que ganha mais um espaço de valorização de nossa cultura.

Uma galeria de arte deve ter um caráter sacro, no sentido literal da palavra: sagrado. Isso por ela se dedicar a divulgar a obra do artista, ou seja, a essência da sua ama.

A Galeria Motirô pretende ser isso: Um centro de divulgação artística que respeite as mais diversas manifestações plásticas e visuais. Um local para o artista.

A preciosidade dessa conquista deve ser medida pelo viés da sensibilidade, uma conquista para a cultura de Teixeira e região.

A cada 20 dias, terá uma exposição de um artista da cidade ou da região, valorizando a diversidade de nossa terra.

O Coletivo das Artes Motirô

Motirô é uma palavra de origem tupi-guarani que significa “reunião de pessoas que plantam juntas para colher juntas”.

Os coletivos de arte podem ser classificados como associações entre pessoas de profissões similares, ou diferentes, dentro da economia criativa (músicos, fotógrafos, designers, entre tantos outros profissionais), com o objetivo comum de desenvolver projetos diante do cenário artístico-cultural de Teixeira de Freitas e região.

Os coletivos culturais já são considerados como um dos movimentos sociais mais expressivos na atualidade e tornaram-se espaços plurais, com viés cultural e artístico. Segundo o sociólogo Jonathan H. Turner, “Cultura é um sistema de símbolos que uma população cria e usa para organizar-se, facilitar a interação e para regular pensamento” (TURNER, 1999, p. 46).

Inspirado na diversidade cultural da cidade de Teixeira de Freitas é que um grupo de artistas e produtores culturais sentiu a necessidade de reunir para que juntos pensassem de forma horizontal em um meio de fomentar a arte na cidade, surgindo assim o movimento Coletivo das Artes Motirô voltado para todos os seguimentos das artes, valorizando o artista local, com o objetivo de difundir a arte na cidade e região através de ações e projetos inovadores como a Geladeiroteca, difusão e fomento à leitura, o Cineclube Sal na Pipoca, reflexão e debate através da sétima arte, a Casa do Artistas, com oficinas de cunho social e comercial através das diferentes linguagens da arte e a galeria de arte uma vitrine para o artista através de exposições.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui