Eunápolis: Homem que exige paternidade de bebê entrega criança à polícia

Mãe foi à delegacia denunciar que ex tinha levado menina de casa. Nesta quinta-feira, 25, homem se apresentou na delegacia de Eunápolis.

Daliléia Castro O homem que exige o reconhecimento da paternidade de uma criança, e foi acusado de ter sumido com ela na região sul da Bahia, foi ouvido na manhã desta quinta-feira, 25, na delegacia de Porto Seguro. Segundo a polícia, ele entregou a criança de seis meses ao Conselho Tutelar. A mãe da menina, que registrou a menina com “pai desconhecido” na certidão de nascimento, havia denunciado o sumiço da filha à delegacia de Eunápolis.

A delegada que acompanha o caso, Elizabete Salvadeu, disse que desde a data da denúncia vinha negociando com o rapaz a entrega da criança. “Ele se prontificou a vir aqui na delegacia de Porto Seguro, onde dá aulas de karatê, para trazer a criança aqui e entregá-la ao Conselho Tutelar. No meio do caminho, porque a criança estava tossindo muito, ele foi levá-la antes ao hospital, preocupado com a saúde dela. Fiquei esperando ele chegar. Foi um imprevisto no caminho da delegacia”, diz. A delegada complementa dizendo que, ao chegar ao hospital, o rapaz e a criança foram reconhecidos por populares devido à repercussão do caso na imprensa. “Acionaram a Polícia Militar, que encaminharam ele de lá até aqui a delegacia”, conta Elizabete.

O professor de karatê fica livre do flagrante porque, segundo explica a delegada, já havia se prontificado a entregar a criança e foi interrompido por um imprevisto antes de chegar à delegacia. Ele será enquadrado em um artigo do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que trata sobre subtração de criança da guarda e do lar onde vive. Neste caso, ele poderá responder em liberdade após ser ouvido.

Elizabete Salvadeu ressalta que a criança, apesar da tosse que motivou a ida ao hospital, aparenta boas condições de saúde e de higiene. “Ela passou por uma avaliação do Conselho Tutelar, e eu também vi a criança, que está saudável”, reforça.

O rapaz que alega a paternidade denuncia a mãe por levar o que ele classifica de “vida desregrada” e por isso quer provar que é pai e ficar com a criança, diz a delegada. A menina será entregue ao Conselho Tutelar de Eunápolis, que deve verificar em quais condições a menina é criada para constatar se há fundamentos nas acusações.

A delegada diz ainda que o homem fez um novo registro de nascimento para a garota, incluindo o nome dele na paternidade. “Ele fez outra certidão reconhecendo que é o pai. Mas isso é crime,

falsidade de documento público. Estou recolhendo as duas certidões para avaliar a validade dos documentos”, aponta a delegada. Segundo ela, a luta para conseguir a paternidade da criança começou quando o homem foi à Justiça exigir um exame de DNA. A delegada conta que houve três audiências marcadas, mas a mulher não teria comparecido.

O caso

Em Eunápolis, uma mãe afirmou, na terça-feira, 23, que teve a filha de seis meses levada de casa durante a noite, pelo ex-namorado.

A empregada doméstica Daliléia Castro aponta que um professor de karatê, de 36 anos, fugiu com a filha caçula alegando ser pai da criança. “Levou ontem de noite [segunda-feira, 22] porque ele acha que é o pai dela”, diz, chorando.

Na certidão de nascimento da menina, não consta o pai como ignorado. Segundo a empregada doméstica, o ex-namorado foi jantar na casa da irmã dela. Segundo conta, ela e a irmã teriam dormido e, ao acordar, viram que o bebê não estava mais no berço.

“Ninguém, ninguém viu nada. O taxista da rodoviária falou que ele chegou na rodoviária com a menina. Eu só quero que alguém ache logo minha filha, porque eu não sei mais o que eu faço”, lamentou.

 

 

Fonte: G1 Ba

 

 

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui