Estudante do interior baiano desenvolve projeto de tecnologia para ajudar agricultura local

Protótipo foi idealizado para otimizar rotina dos funcionários que realizam trabalhos manuais. Foto Ascom
Em um município do interior baiano, localizado no Centro Norte do estado, uma jovem estudante, decidida a contribuir para a melhoria da realidade local, desenvolveu um protótipo que tem capacidade de otimizar a mão de obra de diversos agricultores. Esta é a história de uma aluna do curso de ciências da computação, do Instituto Federal Baiano, do Campus de Senhor do Bonfim. Adriana Nascimento arquitetou um protótipo de aviário automatizado que realiza funções como controlar o microclima do ambiente, permitindo que ventiladores liguem quando a temperatura estiver alta e desliguem assim que chegar ao ponto ideal para o local. “A ideia é fornecer um ambiente que melhore a qualidade dos ovos de forma tecnológica e autônoma”, destacou a pesquisadora.
A estudante lembra que os parâmetros de qualidade estabelecidos tecnologicamente foram definidos sob a orientação de professores de zootecnia. Além da temperatura, há um display que permite monitorar a umidade e o estado das cortinas que controlam acesso ao sol ou incitam sombras, pois o calor excessivo, segundo ela, é um dos principais causadores da mortalidade das aves. “Com o controle da temperatura, buscamos melhorar o bem-estar animal e, consequentemente, aumentar a produtividade do ovo”, ressaltou. De acordo com Adriana, o projeto teve inspiração no contexto da região do semiárido baiano, onde, após visitas ao setor de campo, foi observado que o aviário de galinha de postura existente no Instituto é antigo, e que a maioria das atividades realizadas são manuais, o que demanda a presença constante de um funcionário no local. “Com a automação do aviário, se torna possível melhorar a produção no setor, reduzindo os gastos com mão de obra e energia, visto que os equipamentos de climatização serão ativados somente quando de fato houver necessidade”, disse.
Além de melhorar a vida dos trabalhadores do setor, ela destaca que o projeto veio do desejo de renovar o modelo de aviário que o Instituto possui e assim contribuir para otimizar o serviço. “Outra questão importante é que a automação do aviário com baixo custo é muito relevante para nossa região, já que os pequenos criadores de galinhas geralmente não possuem recursos para investir em tecnologia. Com esse projeto, acreditamos que ajudaremos toda uma cadeia produtiva da região a melhorar sua produção de ovos, ao diminuir o esforço por parte do trabalhador rural”, afirma a estudante ao relembrar que muitas vezes o processo de modernização dos aviários é caro e distancia os pequenos produtores da inovação.
Para reduzir os gastos, foi utilizado o microcontrolador Arduino, um pequeno computador de baixo custo, com poder de processamento e de fácil utilização. “Também buscamos reaproveitar o máximo possível de material para adaptar o aviário à realidade dos pequenos produtores do semiárido baiano”. O projeto foi apresentado com menção honrosa pela XIX Escola Regional de Computação da Bahia, Sergipe e Alagoas (ERBASE), em maio deste ano, em Ilhéus, e passa pelo processo de angariar recursos para implementar os equipamentos no aviário do Campus onde Adriana estuda. “Nossa pesquisa foi orientada pelo professor de informática do IF Baiano, José Honorato Ferreira Nunes e realizada em parceria com o estudante Javan de Almeida. Para contribuir no andamento do trabalho, recebemos suporte financeiro da Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação do IF BAIANO”, concluiu.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui