Com orçamento arrochado, baianos cortam despesas e mudam os hábitos

Aumentos consecutivos da cesta básica, conta de luz, combustíveis, entre outros, reduzem o consumo

Por Daniel do Valle / O Sollo

Sobreviver no Brasil está ficando difícil e viver bem está ainda mais caro. Com o crescimento do desemprego, aumentos consecutivos da cesta básica, conta de luz, combustíveis, mais impostos, os preços estão ficando “salgados”. A inflação aumenta, chega a 9%, e o consumo das famílias diminui. Comprar agora exige pesquisa e os gastos mais contabilidade. A “ressaca da economia” deixa uma conta cara, dividida entre todos, mesmo os que não se sentaram à mesa.

Segundo pesquisa da consultoria Plano CDE, realizada entre a classe média (C), as contas de luz e alimentação pesaram mais no bolso do consumidor nos últimos seis meses, apontados como vilões do orçamento por 61% e 58% dos entrevistados, respectivamente. E se sobra mês e falta salário, o jeito é readequar as contas eliminar, a princípio, as despesas consideradas supérfluas.

Nos últimos seis meses 59% das famílias cortaram gastos com refeições fora de casa; 49% cortaram o lazer; 38% cortaram serviços de beleza e 30% cortaram a compra de artigos para casa, como aponta a mesma pesquisa.

Desemprego

A taxa de desemprego subiu mais uma vez, chegando a uma média 6,7% em seis regiões do país, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em divulgação do último dia 25, referente ao mês de maio. É o índice mais alto já registrado para o mês desde 2010, quando alcançou 7,5%. No ano passado estava em 4,9%. Entre os jovens de 18 a 24 anos a taxa de desocupação é ainda maior, e atinge 16,4%. A região metropolitana que registra a maior taxa de desemprego é Salvador, com 11,3%, referente ao mesmo período.

Cesta Básica

Pelo segundo mês consecutivo, o valor da cesta básica aumentou em 17 das 18 cidades onde o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) realiza a pesquisa. As maiores elevações foram apuradas nas cidades do Nordeste: Salvador (10,69%), Fortaleza (8,89%) e Recife (7,73%). Em 12 meses, entre junho de 2014 e maio desse ano, a capital baiana acumulou alta no preço da cesta de (25,41%) e custa hoje R$ 348; ou 48,01% do salário mínimo líquido.

Os produtos com maior alta de preços foram tomate, pão francês, carne bovina, leite e óleo de soja, como informa o DIEESE. O Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados do Estado da Bahia (SINCAR-BA) mostra que de novembro do ano passado até o final de maio deste ano houve uma queda no consumo de carne bovina de 30% no estado.

Energia

A conta de luz deve fechar o ano em média 43,4% mais cara como aponta o relatório de Inflação divulgado trimestralmente pelo Banco Central. O preço dos combustíveis também subiu com o aumento de tributos do Governo Federal, na contramão da baixa do petróleo no mundo. A gasolina na Bahia está entre as cinco mais caras do País, conforme relatório da Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Porto Seguro tem o preço mais alto no estado, quase R$ 4 por litro.

Impostos

Entre o pacote de impostos que subiram esse ano – como a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), Programa de Integração Social (PIS), Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins), Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) – o último reajuste foi sobre os produtos importados.

De acordo com estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) no começo deste mês, há uma disparidade entre a qualidade dos serviços públicos em relação ao valor desembolsado pelos contribuintes. Hoje, a carga tributária consome cerca de 150 dias de trabalho dos brasileiros ao ano.

Aqui, o trabalhador serve ao governo até o mês de maio e só a partir de junho começa a trabalhar em benefício próprio. São cinco salários para pagar os impostos e apenas oito para o contribuinte, contando com o décimo terceiro. Sem colocar a mão na massa e sem derramar uma única gota de suor, alguém está levando vantagem nesse sistema, que faz farra com dinheiro público.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui