‘Cobra dá mais lucro do que ouro’, ensina Marcos Francoti em curso de serpentário no Extremo-sul da Bahia

 

Um grama de veneno custa em média R$ 400, segundo especialista.
Veneno é utilizado para o tratamento de câncer e outras doenças.­­­­­

 

Fotos: Reprodução. Administrador de Serpentário Marcos Francoti.

Marcos Francoti promoveu um curso de gestão comercial de serpentário em Teixeira de Freitas e Itabuna nos dias 7 e 9 de outubro que ensinou aos participantes como criar serpentes, tudo sobre o veneno das serpentes, criação de cobras além de apresentar uma lista de compradores de veneno.

De acordo com o especialista o veneno das cobras brasileiras pode atingir no mercado internacional um valor 22 vezes mais alto que o do ouro. Um grama da peçonha de urutu, por exemplo, chega a custar 1.200 dólares. O da cascavel, cobra mais comum e rústica, sai por 350 dólares. No topo da lista das mais cobiçadas estão substâncias contidas no veneno da surucucu, que atingem impensáveis 4 mil dólares.

“Eu vim de São Paulo para ministrar este curso na Bahia para incentivar a criação de serpentes, porque no Sul e Sudeste não tem a cobra surucucu, cujo nome cientifico é Lachesis muta e pode ser encontrada aqui na Bahia e tem um veneno especialíssimo do qual é feito o remédio para tratamento de câncer” esclareceu Marcos Francoti em entrevista ao jornal OSollo.

Serpentário.

Conforme Marcos  para iniciar o negócio, não é necessário investir muito, ele afirma que com 10 animais já é possível começar a atuar na área. No entanto, é preciso seguir algumas exigências, como, por exemplo, obter autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), adquirir os animais em serpentários cadastrados junto ao Ibama e ter um espaço adequado na zona rural para a construção do cativeiro.

Veneno de Cascável.

De acordo com o especialista, cada cobra tem em média 15 filhotes por ano. “Se começar com 10 cobras, em seis meses elas se transformarão em 150. Nesse período, já será possível faturar em torno de R$ 8 mil por mês”, informou. Já o espaço deve ser de um metro quadrado para cada animal e construído em alvenaria. As paredes devem ter dois metros de altura e o local deve ser coberto com tela para evitar a entrada de predadores, enquanto no chão deve ser plantado grama.

Marcos Francoti com uma cobra adulta.

Quanto à segurança, o administrador garante que não há nenhuma preocupação, já que as cobras não fogem do cativeiro. Cada animal come apenas um camundongo por mês e recebem atenção de um médico veterinário mensalmente. “O veterinário vai ao local uma vez por mês para limpar e ver os animais”, contou. Um veterinário responsável tem que emitir um relatório anual do serpentário para entregar ao Ibama.

Remédios com base no veneno de cobra, para tratamento de câncer, AVC, distúrbios, pressão alta, infarto, anestésico e etc.

A extração do veneno pode ser feita a cada 30 dias, período suficiente para a recuperação do animal, por técnicos especializados. O material é vendido para laboratórios da Alemanha, Suiça e Estados Unidos. Francote assegura que a procura pelo veneno é muito grande.

2 COMENTÁRIOS

  1. Quem perdeu o curso pode solicita-lo por 350,00 e receberá por email, o curso inclui: Vídeo curso de 50 min. gravado em serpentário autorizado pelo ibama. certificado de acordo com a LEI Federal, modelo de planta do serpentário, lista dos laboratórios que compram o veneno, indico instituições legalizadas que fazem a doação das serpentes e também tira dúvidas pelo whats 11 9.7287.3480 de Marcos Francoti. veja mais no site http://www.criarserpentes.com

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui