Cheios do espírito

“Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito os capacitava.” (Atos 2.4)

Naquele dia, o dia de Pentecostes, todos ficaram cheios do Espírito Santo. Um dos sinais desse enchimento foi que eles começaram a falar noutras línguas, conforme o texto. De alguma forma esse aspecto tornou-se uma questão teológica para igreja. Como a leitura da sequência da narrativa de Lucas vai demonstrar, não foram línguas de anjos, mas línguas de outras nações. Pois a narrativa de Lucas vai afirma que uma multidão de pessoas de muitas nações – ele chega a dizer que estavam ali pessoas de todas as nações do mundo (v.5) – e essa multidão seria impactada pelo acontecimentos. E foram, ao ouvir aqueles discípulos, todos da Galiléia, falando das maravilhas de Deus na multiplicidade de línguas representada pela multidão. E assim, cada um podia ouvir em sua própria língua materna a proclamação feita por aqueles que foram cheios do Espírito Santo.

Há questões que nos tocam à luz do Pentecostes. Somos herdeiros da fé que possibilita o enchimento com o Espírito Santo. O que seria isso? No Antigo Testamento as narrativas falam do Espírito de Deus se apossando de pessoas e conferindo-lhe habilidades extraordinárias para feitos especiais, como a história de Sansão e de tantos outros. Mas devemos pensar em outras categorias hoje. Devemos pensar num enchimento que indica uma comunhão e sensibilidade que possibilita alinhamento com o coração de Deus. Num enchimento que se define pela influência especial de Deus sobre nós, possibilitando uma experiência singular com a presença de Deus em nossa vida. É possível que inclua habilidades especiais concedidas ou até alguma manifestação sobrenatural. Todavia, o sinal do enchimento do Espírito inegavelmente, sem qualquer sombra de dúvida, é o amor. Um amor que nos lidera no caminho do bem, da vida, da santidade.

O enchimento do Espírito acelera em nós a conformação de nossa vida à vida de Cristo. Leia os Evangelhos e veja como foi a vida de Cristo. Nossa transformação segundo a imagem de Cristo é o que poderíamos chamar de santificação por excelência. Na medida em que acontece, nos tornamos mais servos do que jamais fomos. Jesus é o Servo por excelência. Passamos a compreender mais e melhor a alma humana e a condição humana, como Jesus. E, como Jesus, demonstraremos mais misericórdia e graça. Salvar, preservar a vida, respeitar o direito, acolher, perdoar marcarão mais nossas posturas e atitudes. Haverá mais humildade e menos narcisismo e egoísmo em nós. A prepotência é um sinal claro da ausência de comunhão e submissão ao Espírito Santo. Somos herdeiros da fé do Pentecostes, não para falarmos línguas, embora até possamos falar. Mas para revelar uma existência cheia do Espírito Santo.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui