Bahia Pesca investe em piscicultura e aquicultura no Extremo Sul

A Bahia Pesca, vinculada a secretária da Agricultura da Bahia (Seagri), e a Secretaria de Desenvolvimento e Integração Regional (Sedir) realizam, entre os dias 18 e 19/09 (quinta e sexta-feira), uma grande ação de fortalecimento da pesca e aquicultura no extremo sul da Bahia. Pescadores e piscicultores de Porto Seguro, Cabrália e Prado receberão 26 barcos de fibra de vidro, 150 mil alevinos de tilápia, poderão se cadastrar nos programas sociais oferecidos pela Bahia Pesca e pelo “Coelba Itinerante”, e serão capacitados para atuar em ostreicultura e no cultivo de peixes em tanques-escavados e tanques-rede.

As atividades terão início em Porto Seguro, no dia 18, às 10h, quando os pescadores da colônia local recebem dez embarcações de fibra de vidro. A ação faz parte do Projeto Renovar da Bahia Pesca em conjunto com a Sedir, que visa substituir os barcos de madeira atuais por embarcações mais leves, velozes, seguras e confortáveis. As embarcações possuem 7,60 metros de comprimento e estão equipadas com motor de popa e kit salvatagem. No mesmo dia, às 13h, será a vez dos pescadores de Cabrália receberem seis embarcações.

Já no dia 19, quem recebe mais dez barcos são os pescadores de Prado. “Nos três municípios serão beneficiadas, apenas com o Projeto Renovar, quase 80 famílias. As novas embarcações, em conjunto com as demais ações que estamos implantando no extremo sul, vêm colaborar com o crescimento da produtividade destes trabalhadores”, explica o presidente da Bahia Pesca Cássio Peixoto. “E todas as ações visam aumentar a produção da região, importante polo pesqueiro do estado, dando mais comida e renda para centenas de famílias”, acrescenta o Secretário de Desenvolvimento e Integração Regional, Wilson Brito.

Repovoamento de aguadas

Também em Prado a Bahia Pesca distribuirá 150 mil alevinos de tilápia para os piscicultores das comunidades de Corumbau, Veleiro, Imbassuaba e Cumuruxatiba, beneficiando outras 150 famílias. Antes da distribuição dos alevinos, técnicos da Bahia Pesca visitaram as comunidades para avaliar a qualidade da água, prestar assistência técnica, capacitar os piscicultores e explicar sobre a aclimatação dos peixes ao novo ambiente.

“Nosso trabalho não se restringe a distribuir alevinos. Temos por missão orientar as comunidades sobre as melhores práticas de produção, objetivando a sustentabilidade dos projetos”, acrescenta o subgerente de aquicultura da Bahia Pesca, Antônio Laborda. Segundo ele, os aquicultores também recebem outras orientações envolvendo as técnicas de engorda, rações adequadas e a despesca, quando os peixes são retirados das aguadas.

Coelba Itinerante

Os pescadores que estiverem em Prado na sexta-feira poderão ainda se cadastrar no CadCidadão do governo do Estado, sistema que permite o monitoramento das condições sócio econômicas dos pescadores e garante a efetiva implantação das ações e projetos produtivos disponibilizados pela empresa. A inscrição no CadCidadão é pré-requisito para que os pescadores tenham acesso aos benefícios oferecidos pelos programas estaduais de distribuição de renda. A empresa já cadastrou quase dez mil profissionais da pesca no sistema.

Logo após o cadastro, os pescadores serão encaminhados para o “Coelba Itinerante”, espaço onde poderão solicitar a inclusão de seus nomes no programa de tarifa social da concessionária, podendo ter descontos de até 100% na tarifa de energia. A Coelba Itinerante oferece ainda os mesmos serviços encontrados nas agências da concessionária, como troca de titularidade, mudança de endereço e parcelamento de dívida.

Ostreicultura

A aquicultura também está no foco da Bahia Pesca e da Sedir. As empresas estão implantando um projeto de ostreicultura na comunidade de Corumbau, em Prado. Nesta sexta (19), serão entregues toda a infraestrutura para a operacionalização da unidade, incluindo 200 travesseiros (onde são colocadas as sementes de ostras), 70 estacas de concreto (que sustentam os travesseiros, nas margens dos rios, em uma profundidade em que fiquem submersos na maré cheia e expostas ao sol na maré baixa) e dez mesas com cabos.

“O projeto produzirá 720 dúzias de ostras por ano. Além de ser mais uma opção de renda para os profissionais que vivem de pesca e aquicultura na região, trata-se de uma atividade extremamente rentável, com mercado consumidor interno e externo à espera dessa iguaria”, lembra o presidente da Bahia Pesca, Cássio Peixoto.

Piscicultura

Os assentamentos da região de Prado também serão atendidos pela Bahia Pesca e pela Sedir. As comunidades de Modelo, 1º de Abril, Três Irmãos e Tororão receberão projetos de cultivo de peixes em três módulos de tanques-rede e um de tanque-escavado. Cerca de 195 famílias serão beneficiadas com a ação, que produzirá 100 toneladas de pescado por ano.


ASCOM BAHIA PESCA 16/09/2014

 

 

 

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui