Bahia lidera ranking de transplante de rins no Nordeste em 2020

Ao todo, foram 224 transplantes de rim realizados entre os meses de janeiro e novembro deste ano, sendo 217 de doador cadáver e 7 de doador vivo.

Bahia ocupa primeira posição em transplante renal no Nordeste — Foto: Divulgação / Secom

A Bahia foi o estado da região Nordeste que mais realizou transplantes renais em 2020. No ranking nacional, o estado ocupa o 7º lugar. Os dados foram divulgados na quinta-feira, 17 de dezembro, pela Central de Transplantes da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab).

No total, foram realizados 224 transplantes de rim entre os meses de janeiro e novembro deste ano, sendo 217 de doador cadáver e 7 de doador vivo. O saldo é positivo, sobretudo em meio a pandemia do novo coronavírus.

A enfermeira Carolina Sodré, coordenadora de Central de Órgãos do Estado, explicou que, apesar da pandemia, foi possível realizar um número expressivo de transplante de órgãos na Bahia, com a efetivação de 123 doações de múltiplos órgãos e 323 de córneas, lembrando que nos primeiros meses da pandemia o Ministério da Saúde suspendeu a realização dos transplantes de rim intervivos e de córneas.

“Durante a pandemia de covid-19, a Central de Transplantes vem adotando todas as medidas de segurança recomendadas pelos órgãos responsáveis, garantindo a continuidade do programa de transplante, sendo o único Estado do Nordeste que não interrompeu suas atividades de transplante renal e hepático, bem como manteve o serviço de acolhimento, entrevista familiar e captação de órgãos, garantindo o direito das famílias que tinham a intenção de ser doadoras”, revela.

Sem pausas

 

Para coordenadora do Sistema Estadual de Transplantes, Rita Pedrosa, os resultados alcançados pela Bahia nas atividades de transplantes também foram possíveis porque o estado foi o único no Brasil a não interromper o procedimento durante a pandemia.

“Apesar das dificuldades vivenciadas nesse momento de pandemia, o Estado manteve-se firme, inclusive credenciando novos serviços”, pontuou Rita.

A coordenadora da Central de Transplantes destaca ainda que a educação continuada, que vem sendo mantida de forma online em municípios baianos, é outro importante aspecto relacionado à atividade de transplante.

Unidades credenciadas

 

Existem atualmente, na Bahia, 505 pessoas na fila esperando por um transplante renal, procedimento que é realizado, em Salvador, nos hospitais Ana Neri, Geral Roberto Santos, Português, São Rafael, Cárdio Pulmonar e Martagão Gesteira, sendo os dois últimos recém habilitados, e ainda não realizaram o procedimento.

Em Feira de Santana, o transplante é realizado nos hospitais Dom Pedro de Alcântara e EMEC, e em Vitória da Conquista no hospital IBR.

Fonte: G1

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui