Ajude dona Ângela a cuidar de 300 cães e mais de 48 gatos que cria em casa, na Bahia

Conheça a mulher que cria mais de 300 cães em Lauro de Freitas
Mulher cria em casa 48 gatos e mais de 300 cães encontrados na rua na BA — Fotos: Alan Alves/G1

Uma moradora da cidade de Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador, cria em casa 48 gatos e mais de 300 cachorros, todos encontrados na rua. “São três mil quilos de ração por mês”, diz Ângela Gomes, de 62 anos, que é formada em técnica de enfermagem e está desempregada.

Ela conta que começou a juntar animais há 22 anos e já chegou a ser despejada de uma casa alugada pelo proprietário do imóvel por conta da quantidade de bichos aglomerados.

Quem passa na frente da casa onde ela mora com um neto, há quase 6 anos, na localidade de Areia Branca, escuta logo os latidos, mas sequer pode imaginar a quantidade de animais no local.

Mulher cria em casa 48 gatos e mais de 300 cães encontrados na rua na BA — Foto: Alan Alves/G1

“Eu sempre gostei de cuidar de animal da rua, mas o pessoal, quando descobria, sempre me botava para fora, me despejava, quando eu morava em Salvador. E por isso eu resolvi vim morar aqui onde estou hoje, no interior. Aluguei esse espaço aqui parar botar eles, ficar mais tranquila”, conta.

A maioria dos cães que tem em casa é de raça indefinida, ou vira-latas. Os poucos de raça (12, ao todo) até somem em meio aos demais – é possível ver um rottweiler, alguns pinschers e outros poucos poodles. Os gatos, todos de raça indefinida, vivem em um espaço separado para evitar brigas.

Como dona Ângela costuma dizer, “tem cães e felinos para todos os lados”: no quintal, na varada, na sala, nos quartos e até em parte da cozinha da casa.

Mulher cria mais de 300 cães em casa na BA — Foto: Alan Alves/G1

“Os dois que eu coloco dentro do meu quarto são os mais debilitados, que precisam de tratamento e de vigilância. Um é cego e outro idoso. Na sala, eu deixo eles ficarem porque é melhor para eu observar. A minha cozinha é dividida no meio. Do lado que eu faço comida não tem cachorro, mas do outro lado tem. Os mais valentes eu deixo preso aqui fora”.

Ela garante que todos têm nome. Aliás, o que não faltou foi criatividade para a escolha dos nomes: tem o Sabotagem, o Cascudinho, Cabeção, Boquinha, Zé, Morcego, Pandora, Nundo, Ceasa, Xerife e dezenas de outros mais.

O animal mais novo que Ângela tem em casa tem 15 dias; o mais velho, 10 anos. “Todos aqui são de rua. Tudo eu pego na rua. Uns com bicheira, outros atropelados, mutilados, uns vítimas de maus-tratos. Com isso, já são 22 anos de proteção animal”, diz.

Animais na sala da casa de Ângela, em Lauro de Freitas — Foto: Alan Alves/G1

Para alimentar os bichos, Ângela diz ser necessário 100 quilos de ração por dia e conta que tem dificuldades para comprar tanta comida para eles todo mês.

“Eu vivo de doações. Ganho dinheiro pedindo a um e a outro pessoalmente e na internet. Onde eu passo eu devo ração. Devo ali, devo acolá. Eu também fiz um grupo no WhatsApp e as pessoas me ajudam com a ração, mas não dá para o mês todo”, conta.

“Eu não gosto de ver eles com fome, por isso eu peço ajuda. Eu deixo de comprar um remédio para mim, deixo de comprar uma fruta e vou comprar ração pra eles. Às vezes compro fiado, outras vezes consigo dinheiro e pago”.

Ângela começou a recolher animais da rua no final dos anos 90, quando morava no bairro de Pirajá, em Salvador — Foto: Alan Alves/G1

Ângela começou a recolher animais da rua no final dos anos 90, quando morava no bairro de Pirajá, em Salvador — Foto: Alan Alves/G1

Ângela começou a recolher animais da rua no final dos anos 90, quando morava no bairro de Pirajá, em Salvador.

“Lá em Pirajá, eu comecei a pegar os da rua, mas o pessoal descobria e pedia a casa alugada de volta. Na última casa em que morei, no Conjunto Pirajá I, o dono se estressou, deu porrada no portão e botou todo mundo pra fora. Nesse tempo, eu já tinha 60 cachorros. Foi aí que eu decidi vim aqui para Lauro de Freitas. Morei um tempo de favor numa outra rua e depois achei esse espaço”, diz.

“Eu peguei os primeiros cachorros, criei amor e sempre via outros sofrendo na rua. Aí eu pegava e sempre botava em casa. Eu dizia que depois iria colocar na rua de novo, mas nunca consegui me desfazer. Tentava botar para doação, mas não conseguia doar. Então, fico com todos”.

Ângela diz que muitas pessoas também passam hoje em frente à casa onde ela mora e abandona animais para ela cuidar. “As pessoas são miseráveis. Deixam aqui na minha porta, jogam por cima do muro. E foi assim que eu fui enchendo de bicho. Eu não tenho coragem de pegar e botar na rua ou deixar aí fora amarrado. Não tenho coragem”.

Cães do lado de fora da casa de Ângela, em Lauro de Freitas — Foto: Alan Alves/G1

A mulher diz que somente uma vizinha já demonstrou incômodo com o barulho e até com o cheiro forte exalado pelos animais, mas afirma que conversa com todo mundo para “poder viver em harmonia”.

“Tem uma vizinha que reclamava às vezes do barulho de noite, mas nem tem muito assim. Eu controlo eles. Eles dormem presos, uns soltos e também nos informam quando vem gente estranha aqui na área. Eles latem”, conta.

“Um dia teve um assalto aí e então ela não reclamou mais porque sabem que eles podem servir também para alertar”.

A reportagem não encontrou a vizinha de dona Ângela para que ela pudesse falar sobre o caso.

Ângela afirma que quem quiser adotar algum dos animais pode entrar em contato com ela.

“Quando alguém aparece para adotar, eu faço entrevista, assino um contrato de vacina, porque não são vacinados, e pode levar. Se a pessoa não conseguir criar e cuidar, pode me devolver que eu aceito de novo. Às vezes eles latem demais, incomodam, e as pessoas que adotaram me devolvem”, diz.

Mulher diz gastar 100 quilos de ração por dia para alimentar animais — Foto: Alan Alves/G1

Além de ração, Ângela também pede doação de remédios para os animais.

“Preciso de ração, de remédio para verme, remédio para bicheira, papelão para eles dormirem, jornal velho, toalha para dar banho neles. Tudo isso eu preciso para o dia a dia. Mas o principal mesmo é a ração. São 3 mil quilos por mês. O pessoal me ajuda, mas não dá para o mês inteiro. Eles começam a passar fome, ficam estressados e machucam uns aos outros e eu fico preocupada”, diz.

A moradora afirma que tem um sonho de montar uma ONG de proteção animal para também ter apoio de órgãos públicos para cuidar dos bichos.

“Eu pago aluguel, pago luz, pago pessoas pra limpar a área, pra deixar limpo. Então, eu preciso mesmo de ajuda, de doações”, diz.

Apesar das dificuldades, Ângela afirma que quer continuar a cuidar dos animais que tem e de outros que ainda possam aparecer.

“O pai dos meus filhos me disse uma vez que se eu ganhasse na loteria a gente iria viver viajando. Mas eu disse que não. Se eu estou na pobreza com meus cachorros, eu vou continuar com eles rica também. Não desfaço deles por nada. Tem um mesmo que está há 11 anos comigo. Então, eu crio amor. Eu sempre gostei de animais. É amor mesmo”.

Para ajudar Dona Ângela, basta entrar em contato por meio do telefone (71) 98812-5027, que também é número de WhatsApp.

Cães ficam espalhados por todos os cantos da casa — Foto: Alan Alves/G1

Fonte: G1

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui