Agro: Cultivo de pimenta-do-reino em troncos de nim realiza o controle natural de insetos

A técnica que está sendo usada nas plantações em Jaguaré e outros municípios, tem reduzido bastante a incidência de pragas. Foto: Jornal Dia de Campo

Cultivar a pimenta-do-reino no tronco de uma planta que realiza o controle natural de insetos, o nim (Azadirachta indica), tem reduzido bastante a incidência de pragas na produção do senhor Aristeu Nardi, agricultor que reside no município de Jaguaré (ES).

Muitos anos atrás, ele iniciou essa experiência em uma lavoura de 600 pés de pimenta, que se tornou uma unidade de observação acompanhada pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper). Essa foi uma das técnicas que mais interessaram aos produtores rurais presentes no Seminário de Pimenta-do-Reino, realizado na última quarta-feira, 14 de novembro, em Barra de São Francisco.

O vereador José Valdeci de Souza, que participou do evento, lamentou que poucos tenham comparecido e disse acreditar que o desinteresse é pelo fato de o preço da pimenta do reino estar muito abaixo da cotação dos últimos anos.

Eu acho que a hora de investir é agora porque quando os preços voltarem a lavoura já estará produzindo”, aconselha.

José Valdeci disse que ficou muito interessado no cultivo da pimenta-do-reino em troncos de uma planta que realiza o controle natural de insetos, o nim (Azadirachta indica). A técnica que está sendo usada nas plantações em Jaguaré e outros municípios, tem reduzido bastante a incidência de pragas na produção do senhor Aristeu Nardi, agricultor que reside no município de Jaguaré.

De acordo com o senhor Aristeu, um agricultor que adota práticas agroecológicas, o motivo principal que o levou a iniciar essa experiência foi a necessidade de utilizar um tutor para o plantio da pimenta que fosse econômico e não estivesse contaminado com produtos químicos.

Eu já tinha o nim plantado em minha propriedade e utilizava seu óleo como inseticida natural. Por meio do contato com o Incaper, tomei conhecimento da possibilidade de utilizá-lo como tutor vivo, natural, para o plantio da pimenta, o que é fundamental para a produção agroecológica dessa cultura”, relatou Aristeu.

Uma alternativa agroecológica – O senhor Aristeu disse que, há mais de 10 anos, possuía 3 mil pés de pimentas plantados no sistema convencional. Porém, devido a uma doença chamada fusariose, toda sua lavoura foi devastada, fato que fez com que ele buscasse novas alternativas dentro dos princípios agroecológicos.

A agroecologia oferece conhecimentos e os caminhos para desenvolver uma agricultura ambientalmente adequada, socialmente equitativa e economicamente viável. Através da aplicação dos princípios agroecológicos, é possível fazer um melhor uso dos recursos da propriedade, minimizar o uso de insumos externos, reciclar e gerar recursos no interior dos agroecossistemas, como é o caso da utilização do nim como tutor vivo da pimenta”, falou Aristeu.

Para o extensionista do Incaper em Jaguaré, Valchirio Martins, que acompanha esse trabalho, a iniciativa do senhor Aristeu resultou na implantação de uma Unidade de Observação no município.

“Em uma visita técnica à propriedade do senhor Aristeu, ele me levou na área de cultivo do nim. Fiquei animado com o bom desenvolvimento das árvores e comentei com o produtor sobre algumas pesquisas que estavam sendo realizadas com cultivo de pimenta-do-reino em tutor vivo de nim. Ele ficou animado e decidiu implantar uma unidade de observação em toda área plantada”, afirmou Valchirio.

Comprovação científica – De acordo com o pesquisador do Incaper, José Aires Ventura, que também visitou a propriedade do senhor Aristeu, a unidade de observação de pimenta-do-reino com o nim como tutor vivo mostrou-se bastante eficiente.

A atividade do nim como inseticida natural já possui comprovação milenar. No entanto, sua utilização como tutor vivo na pimenta-do-reino, tem mostrado bons resultados, além de também poder servir como repelente natural de afídeos, que são vetores de uma virose desta planta, mas que ainda precisa de comprovação científica. A unidade de observação do senhor Aristeu possui uma série de indicadores que apontam que a utilização do nim pode facilitar a condução do pimental. No entanto, somente a comprovação científica pode validar essa tecnologia a fim de disseminá-la entre os agricultores”, falou José Aires.

O próprio Aristeu aponta a importância da validação da experiência pela pesquisa. “Matenho o plantio de 600 pés de pimenta em tutores vivos de nim desde o início de utilização da técnica. Mesmo com bons resultados, não aumentei o plantio justamente porque é preciso comprovar esses resultados cientificamente”, relatou.

Manejo da lavoura – A lavoura do senhor Aristeu é conduzida pelos princípios da agroecologia, sem a utilização de agrotóxicos, adubos químicos ou qualquer outro tipo de agroquímico. “O produtor utiliza apenas fosfatos naturais, calcário proveniente de algas marinhas, diversas formas de adubos orgânicos, adubação verde, cobertura morta, biofertilizantes, produtos de origem biológica, inseticidas naturais, como óleo de nim, bioalho, entre outros”, explicou o extensionista do Incaper Valchirio Martins.

Ele disse que a lavoura é irrigada por micro aspersão e o manejo do mato nas estrelinhas é feito através de roçadas. “O mato é utilizado como cobertura morta para manter o solo protegido e com umidade necessária ao bom desenvolvimento das plantas”, disse Valchirio.

O manejo correto das copas das árvores de nim é uma das práticas mais importantes para o equilíbrio do sistema. “Anualmente, são feitas duas podas de manejo das copas para manter a luminosidade necessária para o bom desenvolvimento e produção da lavoura”, falou o extensionista de Jaguaré.

Destaca-se ainda que as plantas de pimenta-do-reino são altamente sensíveis à falta de luminosidade e o excesso de sombreamento interfere significativamente na produtividade da lavoura. Dessa forma, deve-se utilizar um espaçamento adequado e efetuar o cultivo no sentido leste/oeste para facilitar o manejo e proporcionar maior luminosidade para as plantas.

Técnica desperta interesse de agricultores de outros municípios

A experiência do senhor Aristeu Nardi animou produtores de pimenta de municípios do norte capixaba. De acordo com o chefe do escritório local do Incaper em Ecoporanga, Geraldo Francisco Costa, após a realização de uma excursão técnica a Jaguaré em maio, quatro unidades de observação dessa tecnologia começaram a ser implantadas no município.

Agricultores que já trabalham com pimenta-do-reino no modelo convencional e outros que começaram a trabalhar agora com essa cultura gostaram do que viram em Jaguaré. Muitos tiveram as lavouras exterminadas pela fusariose. Agora enxergam no nim uma possibilidade de repelente natural para os insetos da pimenta”, disse Geraldo.

De acordo com o produtor de Nova Venécia, Geraldo Eliandro Rodrigues, que também participou da excursão técnica, a experiência de Jaguaré apresentou uma alternativa para a redução de custos na produção da pimenta-do-reino. “Comecei o plantio de pimenta há um ano como alternativa de diversificação da produção. Porém, o custo de implantação é muito alto. Me chamou a atenção o plantio em tutor vivo de nim porque é uma forma de reduzir custos e também de evitar ataque de pragas e doenças”, disse Geraldo. Ele possui 1.750 pés de pimenta plantados em, aproximadamente, 1 hectare.

Propriedades do nim – De acordo com informações da literatura da Embrapa, o nim é uma planta natural do sudeste da Ásia e do subcontinente indiano. Pertence à família Meliaceae, a mesma que inclui espécies como o cinamomo, o cedro e o mogno. É uma planta de clima tropical, resistente à seca, de crescimento rápido, copa densa, chegando a alcançar 15 metros de altura, podendo ser cultivada em regiões de clima quente e solos bem drenados.

O nim é utilizado há séculos em sua região de origem, na medicina humana e animal. Na agricultura, pode ser utilizado para o controle de insetos-praga. Apresenta ação nematicida e atua sobre alguns fungos e bactérias. É utilizado na fabricação de cosméticos, reflorestamento e na arborização urbana, como madeira de lei, além de fertilizante. (Weber Andrade com site diadecampo.com.br)

Fonte: Voz da Barra

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui