A presença de Deus

“Tu me cercas, por trás e pela frente, e pões a tua mão sobre mim. Tal conhecimento é maravilhoso demais e está além do meu alcance, é tão elevado que não o posso atingir. Para onde poderia eu escapar do teu Espírito? Para onde poderia fugir da tua presença?” (Salmos 139.5-7)

Há nas Escrituras um relato bastante interessante, vivido por Jacó quando fugia de seu irmão Esaú. A certa altura de sua jornada, no final do dia, ele adormeceu e sonhou. Em seu sonho apareceu uma escada que unia a terra ao céu. Não o céu no sentido físico, mas espiritual – o lugar da habitação de Deus. E pela escada mensageiros de Deus subiam e desciam. Ao acordar, a conclusão de Jacó foi: “Sem dúvida o Senhor está neste lugar, mas eu não sabia” (Gn 28.16) E o que se segue é um compromisso de Jacó com Deus. Ele deseja que o Senhor o guie, levando-o e trazendo-o de sua jornada para que fosse bem sucedido.

Temos desperdiçado Deus por ignorar sua presença em nossa vida. Nossas ocupações, que poderiam ser formas de honrar a Deus, têm se tornado distrações que nos cegam e nos afastam de Deus. Os bens que poderiam ser em nossas mãos bênçãos e em nossas vidas alimentar a gratidão e a adoração a Deus, transformam-se gradativamente em nossos deuses. Invertemos a ordem das coisas: queremos que Deus sirva ao propósito de nos abençoar com bens em lugar de nossos bens servirem ao propósito de louvar a Deus. Precisamos aprender a desfrutar e nos encantar com a presença de Deus. Ela é fundamental para nossa vida. Não pelo que Ele pode nos dar, mas por quem nos tornamos quando vivemos em comunhão e submissão a Ele.

Irmão Lourenço, um frei que viveu no século dezessete, decidiu que se lembraria de Deus minuto a minuto durante seu dia. E mesmo sendo apenas um cozinheiro, com panelas para cozinhar e pratos sujos para lavar enchendo seu dia, sua vida influenciou pessoas por toda Europa. No século vinte, Frank Laubach, um missionário nas Filipinas e em outros países, dedicou-se a alfabetizar e transformou a vida de milhares de pessoas. Ele tinha um lema: “com Deus segundo a segundo”. A vida e obra desses dois homens foi unida na obra “Praticando a Presença de Deus”. A presença de Deus é para ser experimentada e praticada. Ela produz bons frutos. Frutos de vida que glorificam ao Pai Celeste. Nossa vida será um desperdício de Deus se como eles, não praticarmos Sua presença!

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui