A lei não muda as pessoas

Vivemos no país do faz de conta.

O Estado nos cobra dezenas de impostos e faz de conta que reverte isso em serviços públicos de qualidade.

Os cidadãos fazem de conta que cumprem todos os seus deveres e exigem que os governantes cumpram as leis e não sejam desonestos.

Vivemos fazendo de conta. Vivemos num país onde existe uma enorme distância entre o discurso e a prática.

Mas se há algo irritante no nosso país é a mania que o Congresso Nacional tem de achar que as leis mudam as pessoas. É como se fosse um passe de mágica, faça-se uma lei e mude uma realidade.

Um dos melhores exemplos dessa mania dos legisladores acharem que as leis podem mudar as pessoas é a insistência em fazer leis com penas maiores para alguns crimes, como se neste país todos os crimes fossem descobertos pela polícia e julgados pela Justiça. Nunca vi, aliás, a criminalidade diminuir porque uma lei penal se tornou mais rígida.

Os último faz de conta do congresso foi a lei do bullyng. Segundo a nova lei, bullyng tem o nome de intimidação sistemática e consiste em todo ato de violência física ou psicológica, intencional e repetitivo que ocorre sem motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou agredi-la, causando dor e angústia à vítima, em uma relação de desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.

O congresso resolveu fazer uma lei para dizer o óbvio: qualquer tipo de agressão psicológica, física ou preconceituosa, principalmente nas escolas, passou a ser proibida e precisa ser combatida.

Agora podemos ficar tranquilos e mandar nossos filhos para a escola sem qualquer tipo de preocupação nesse sentido. É que, com a nova lei, as crianças e adolescentes mal educados deixarão de agredir crianças gordinhas, magricelas, altas demais, baixas demais, com orelhas grandes, pernas finas, etc (uma infinidade de coisas que quem já foi criança na escola sabe bem do que estou falando).

Será que só os legisladores não veem que lei não transforma as pessoas mal educadas em pessoas bem educadas, não transformam pessoas desonestas em pessoas honestas, que as leis não transformam criminosos em pessoas boas!?

Nosso congresso joga com a plateia, deixa de fazer leis importantes capazes de mudar os rumos de um país e fica legislando sobre coisas pequenas que são mais consequências do que a causa do problema em si.

Só pra falar sobre o bullyng, qual sua causa senão a falta de educação e a falta de orientação familiar em casa. Se a criança não tem uma família estruturada e se não recebe educação em casa, na escola, com certeza, descontará nos coleguinhas toda sua angústia e sofrimento.

Não estou querendo dizer que sou favorável ao bullyng, mas seria preciso uma lei para que o Ministério da Educação e as Escolas passassem a combatê-lo ? Claro que não!

Mas é a velha mania do nosso legislador: mania de querer mudar as pessoas (o concreto) com as leis (o abstrato).

Precisamos parar de fazer leis e exigir dos nossos governantes que cumpram as que já existem. Se isso ocorresse, com certeza estaríamos num país melhor, um país mais real e não esse faz de conta.

 

 

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui